Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Revista PsicoFAE - Pluralidades em Saúde Mental (ISSN – 2447-1798) é um periódico eletrônico de publicação semestral – Jun/Jul e Nov/Dez – lançado em 2012. São publicados trabalhos nas seguintes categorias: entrevistas com pesquisadores, artigos científicos, relatos de experiências profissionais.

 O periódico tem como objetivo:

a)    Publicar trabalhos originais em Psicologia e áreas de interface que contribuam para uma visão mais ampla e crítica da noção de saúde mental, considerando sua polissemia e complexidade;

b)    Garantir a regularidade e semestralidade da publicação, priorizando trabalhos que tenham um significativo impacto científico e acadêmico;

c)     Fomentar ações interinstitucionais por meio da participação de pesquisadores no corpo editorial da revista vinculados a diferentes instituições de ensino superior e a instituições de formação variadas. 

A noção de saúde mental proposta pela revista reconhece as conexões entre ciências da saúde, sociais e humanidades, e sustenta uma compreensão transdisciplinar e sistêmica do constructo, de forma que são bem vindas pesquisas de diversos campos de conhecimento, que contemplem a riqueza e a pluralidade de temáticas e perspectivas correlatas à saúde mental, tais como: Subjetividade, processos gestionários e trabalho; Formação humana e educação; Políticas públicas e direitos humanos; Psicologia clínica e da saúde; Formas de governabilidade, processos de institucionalização e relações de poder; Processos psicossomáticos e psicopatologia; Neuropsicológica e avaliação psicológica; Memória social, criatividade e arte; Modos de subjetivação e fenômenos psicossociais contemporâneos; dentre outros.

 A diretriz que unifica tais interfaces temáticas e disciplinares é a convicção de que os fenômenos ligados à saúde mental devem ser estudados respeitando suas as correlações históricas, sócio-econômicas, culturais e políticas. 

 O periódico em questão está voltado ao público interessado na temática de Saúde Mental, tais como profissionais das áreas da Psicologia, Enfermagem, Medicina, Educação, Filosofia, Sociologia, Gestão e Saúde no Trabalho, entre outros.

 O periódico tem como missão a atualização contínua do conhecimento, o respeito à história e às premissas éticas em prol da produção de novos saberes em Saúde Mental, reiterando a interdisciplinaridade e pluralidade envolvida no tema.

Revista PsicoFAE - Pluralidades em Saúde Mental  utiliza o Open Journal Systems, sistema de código livre gratuito para a administração e publicação de revistas. Por meio dele, podem ser realizadas consultas de conteúdo, bem como submissão de trabalhos e acompanhamento do processo editorial em curso. Os manuscritos publicados  na edição atual e nas anteriores podem ser acessados em: https://revistapsicofae.fae.edu/psico

 

Políticas de Seção

Artigos

Política padrão de seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenha

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Seção Especial

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

A Revista PsicoFAE - Pluralidades em Saúde Mental aceita trabalhos inéditos ou que ainda não tenham sido publicados em outros periódicos nacionais. Os manuscritos serão submetidos à apreciação do Conselho Editorial para realização de parecer técnico (em número mínimo de dois pareceres por proposta, ou mais, quando necessário). A editoria da revista lançará mão (caso necessário) de especialistas convidados – na qualidade de consultores ad hoc – que poderão sugerir modificações antes de sua publicação. A editoração adota o sistema de double blind review, garantindo-se o anonimato da autoria e dos consultores durante o processo de avaliação. Serão consideradas a atualidade e a relevância do tema, bem como a originalidade, a consistência científica e o atendimento às normas éticas.

 

 

Periodicidade

Revista PsicoFAE: Pluralidades em Saúde Mental é um periódico Semestral com publicações em Jun/Jul e Nov/Dez.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Política de Conflitos de Interesse

Revista Psicofae: Pluralidades em Saúde Mental

 

O conflito de interesses pode ser de natureza pessoal, comercial, política, acadêmica ou financeira. Entende-se que existe conflito de interesse (CI) quando autores, revisores ou editores possuem interesses que podem influenciar na elaboração ou avaliação de manuscritos. Isso pode ocorrer quando há divergência entre os interesses privados de um indivíduo (interesses concorrentes) e suas responsabilidades científicas e editoriais, de tal forma que um observador razoável pode se perguntar se o comportamento do indivíduo ou o julgamento foi motivado por considerações objetivas ou por interesses concorrentes.

Tipos de interesses concorrentes:

A) Laços financeiros: O participante no processo de publicação recebeu ou espera receber benefícios financeiros, presentes ou serviços que podem influenciar o trabalho relacionado com uma publicação específica.

B) Compromissos acadêmicos: O participante no processo de publicação pode ter crenças fortes que as vinculam a uma determinada explicação, método ou ideia. Isto pode, como resultado, tornar tendenciosa a realização de pesquisas, ou na revisão de trabalhos de outros autores que são a favor ou em desacordo com suas crenças.

C) Relações pessoais: O participante no processo de publicação pode ter relações pessoais com a família, amigos, inimigos, concorrentes ou colegas. O que pode trazer dificuldades em fornecer uma análise imparcial necessária ao processo de avaliação.

D) Crenças políticas ou religiosas: O participante no processo de publicação pode possuir um forte compromisso com uma visão política particular (por exemplo, posição política, agenda ou afiliação) ou ter uma forte convicção religiosa pode representar um conflito de interesse para uma determinada publicação, caso essas questões políticas ou religiosas são afirmados ou negadas na publicação.

E) Afiliações institucionais: O participante no processo de publicação pode estar diretamente associado com uma instituição e que pode influenciar sua avaliação em face de poder obter uma possível posição ou um interesse da publicação.

Declaração e gestão do conflito de interesse:

Caso haja conflito de interesses estes devem ser declarados por escrito – no campo observações ao editor - como condição para se analisar um manuscrito. Se algum ou todos os tipos de Conflito de Interesse (mencionados anteriormente) forem detectados (a priori, durante o processo de revisão de pares ou a posteriori à publicação) em algum texto avaliado ou aprovado, o manuscrito ficará em suspenso até que o conflito de interesse seja resolvido.